Censo 2018 divulga dados preliminares e indica Campos Novos como o Celeiro Catarinense

  13/08/2018 - 15:15

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) atualizou recentemente o Censo Agropecuário das regiões aonde é possível conhecer o perfil do produtor rural e das culturas agrícolas predominantes em cada região. Iniciada no ano de 2017, a pesquisa foi feita em mais de 5 milhões de estabelecimentos agropecuários em todo território nacional, levantando informações sobre áreas, produção, características de pessoal, e uso de agrotóxicos. Através dos dados é possível acompanhar o progresso dos estados e municípios neste setor tão importante para o país, e Campos Novos mais uma vez se destaca como o Celeiro Catarinense por ser o município que mais produz grãos no estado. Neste momento apenas os dados preliminares foram divulgados, a previsão é de que até o final do ano todos os dados atualizados serão disponibilizados para consulta pública.

Com base nos resultados preliminares, o município de Campos Novos, atualmente, tem cerca de 150.380,115 hectares de terra ocupados por 1.670 estabelecimentos agropecuários, destes, 1.419 pertencem aos produtores individuais, e 236 são pertencentes a consórcios e união de pessoas. Predominantemente masculina, a agropecuária do município tem 1.441 homens a frentes dos negócios, e apenas 214 mulheres. O uso do agrotóxico também é presente na maioria dos estabelecimentos, dos 1.670, 1.049 afirma fazer uso de insumos. E como já era de esperar, a grande maioria dos estabelecimentos trabalha com parentes, comprovando a agricultura familiar como grande responsável pela agropecuária. São 1.654 estabelecimentos que usam pessoal com laços de parentesco e apenas 409 ocupando pessoal sem laços de parentesco.

As lavouras existentes em Campos Novos são de culturas diversificadas, é possível encontrar plantações de uva, erva mate, figo, pêssego, ameixa, alho, amendoim, arroz, abóbora, mandioca, melancia, tomate, fumo, entre outros, mas o que se destaca na agricultura são mesmo os grãos, como milho, soja e trigo e aveia, alcançando, aproximadamente, 73.936, 864 hectares de área colhida. O chefe regional do IBGE, Sady Silvestrim, afirmou que houve um crescimento das áreas de lavoura de soja, e a safra de 2016 e 2017 foi considerada a melhor safra dos últimos anos. Sady também confirma o município sendo o maior produtor de soja e de grãos de Santa Catarina. Este fator é o que configura Campos Novos como o grande celeiro catarinense. As produções colhidas abastecem o município e o estado, mas também são exportadas para outros países.

A pecuária do município é também é um destaque, sendo comercializada para os mercados locais, nacionais e internacionais. Aqui se encontram estabelecimentos de criação de perus, patos, gansos, marrecos, assim como a criação bovina, bubalina, caprina, suína, asinina, equina e galinácea. O número de estabelecimento de criação de frangos e galinhas chegou a quase 1000, e somam 2.051.710 cabeças de aves, produzindo cerca de 7.503,962 dúzias de ovos por ano. A criação bovina chega a 57.462 cabeças, produzindo anualmente 27.951.656 litros de leite. Mas a criação com mais representatividade é a suína e a galinácea, juntos somam 2.268.036 cabeças.

Os números são grandes e representam muito trabalho, mas engana-se quem pensa que apenas os jovens estão envolvidos nas atividades do campo, os idosos ainda se fazem presentes na hora de colocar a mão na massa. Segundo o Censo, 549 produtores do município estão acima dos 60 anos. Outro levantamento interessante está relacionado a escolaridade dos produtores, dos 1.670, 711 tem apenas o ensino elementar (antigo primário), e 158 tem ensino superior completo e 239 tem o ensino médio completo. A maioria dos produtores possui alguma instrução escolar, apenas 51 deles nunca frequentou a escola.

Diante dos fatos, é possível perceber que Campos Novos é o município que mais se destaca dentre todos os que compõem a Associação dos Municípios do Planalto Sul de Santa Catarina (Amplasc). Campos Novos está em primeiro lugar em área de plantação e número de estabelecimentos, sendo seguido por Brunópolis com 28.000,301 hectares e Vargem com 28.000,259 hectares. Com relação ao número de estabelecimentos rurais, o segundo lugar fica com Vargem que possui 714 estabelecimentos, seguido de Abdon Batista que possui 693 estabelecimentos. Todos os municípios da Amplasc também tem a agricultura familiar como o carro forte dos estabelecimentos rurais. O município de Vargem possui 706 estabelecimentos que contam com pessoal com laços familiares, e Abdon Batista, conta com 692 estabelecimentos que possui mão de obra familiar.

Os números representam um grande crescimento em relação a pesquisa passada que aconteceu no ano de 2006. Neste período, de mais de dez anos, ocorreram alterações significativa. Com relação aos dados estatísticos é possível citar apenas algumas mudanças, como, por exemplo, a quantidade de estabelecimento, que era de 1447 e hoje já são 1.670, e as áreas que abrangiam esses estabelecimentos eram de 124.186 hectares, hoje alcançam 150.380,115 hectares de terra, indicando uma mudança progressiva no campo. O crescimento ficou ainda mais perceptível se comparado as toneladas de alguns grãos produzidos, de acordo com o censo de 2006, somando a soja, o milho e o trigo, foram produzidos 187.475 toneladas de grãos, já neste último Censo somados esses três grão, temos o equivalente 343.671,120 toneladas de grãos.

Os dados são de grande importância para definir as ações voltados para o crescimento do setor que é tão importante para o estado e para o país, eles servirão de base para que políticas públicas sejam implementadas para fomentar a área que tende a crescer ainda mais O avanço e crescimento municipal contribuem para alavancar a economia do estado e o colocam em uma situação privilegiada se comparado aos demais estado brasileiros. Santa Catarina tem se dedicado a investir em ações que promovem o avanço dos pequenos e grandes produtores.

Em visita a Campos Novos o Secretário de Estado da Agricultura e Pesca, Airton Spies, conversou com o jornal O Celeiro e elogiou o município dizendo que ele é um exemplo na região. “Campos Novos é um exemplo em produção, temos aqui um celeiro da produção do alimento, principalmente de grãos e de cereais. Temos também a conversão disso em proteína animal. Hoje 29% do PIB de SC é do agronegócio, e 60% desses 29% é proteína animal. Isso permite agregar valor, criar densidade econômica, e Campos Novos é um exemplo magnifico disso. A produção agrícola vai muito bem e a conversão dos produtos da produção agrícola em proteína animal também vai muito bem. E o potencial ainda é muito grande para melhorar, tem espaço para expandir, gerar mais empregos, e mais oportunidades e mais desenvolvimento. O município é um exemplo para o estado e para o Brasil. Precisamos manter o estado e os 295 municípios nessa trilha do desenvolvimento continuado”, explanou Spies.

“Pequenas propriedades, grandes negócios”.

Sobre o cenário estadual, as estatísticas apontam a evolução e riqueza de Santa Catarina. A produção do estado é inversamente proporcional a sua extensão territorial, um dos menores estados do Brasil apresenta a 6° economia do Brasil. São apenas 95 mil quilômetros, representando cerca de 1, 12% do território nacional, sendo o 21° em área, e a 12° população, no entanto os números e o tamanho não definem a economia do estado. Airton Spies, Secretário de Estado da Agricultura e Pesca, afirma que o mundo todo enxerga o estado como exemplo de competividade e competência. “O estado se tornou o maior produtor de suínos, de maça, de cebola e de pescado. Somos o segundo maior produtor de frangos, de arroz e de tabaco, e quarto maior produtor de leite no Brasil, ressalta. Diante deste cenário, representantes do estado de Santa Catarina já foram inúmeras vezes convidados a dar palestras em outros países para falar sobre a economia crescente do estado.

O secretário de estado também apontou a evolução da agricultura familiar, que deixou de ser sinônimo de agricultura pobre, e hoje o agricultor tem sido bem-sucedido em se conectar com as cadeias agroindustriais de mercado. Este avanço, segundo Spies é decorrente dos investimentos feitos no setor. “Não foi da noite para o dia que isso aconteceu, há uma história de desenvolvimento, de investimento em pesquisa, em extensão e em tecnologia. Isso nos permitiu ter acesso aos mercados globais porque temos produtos de qualidades”, relatou.

(Reportagem publicada no jornal “O Celeiro”, 09 de Agosto de 2018)

capa

Peça Sua Música

As Mais Pedidas

ZÉ NETO E CRISTIANO

NOTIFICAÇÃO PREFERIDA

Marilia Mendonça

Ausência

Villa Baggage

Pijame de Ursinho

JESSIE J

WHO YOU ARE

UM44K

NOSSA MÚSICA